Sim o Tarot funciona. Seu funcionamento é explicado pela psicologia analítica, através do conceito de arquétipos e da sincronicidade, de Carl Jung (psiquiatra e psicoterapeuta suíço).

Arquétipos

Arquétipos são modelos, situações que todos já vivenciamos, estamos vivenciando ou iremos vivenciar em nossa vida.
Por exemplo: se eu falar sobre maternidade, automaticamente vem na mente o conceito de uma pessoa amorosa, dedicada, carinhosa, protetora. Este é o Arquétipo da Mãe.

As imagens do Tarot são arquetípicas, o que quer dizer que o tarot representa as situações que todos nós vivemos no nosso dia a dia, estados emocionais e físicos. Essas experiências de vida que eu, você e todo ser humano tem, ficam armazenadas no que Jung chamou de Inconsciente Coletivo.

Sincronicidade

Tudo no Universo está interligado, por algum tipo de vibração, e as dimensões física e não física estão em algum tipo de sincronia, que faz com que eventos isolados se repitam em perspectivas diferentes.
Por exemplo, você está em casa, pensando em alguém, de repente, o telefone toca. E do outro lado é a pessoa na qual você estava pensando.

Jung acreditava que as coincidências poderiam ser entendidas como fenômenos psicológicos caracterizados pela ocorrência simultânea de pensamentos/eventos geograficamente distantes.

Resumindo, tudo está gravado no inconsciente coletivo, e quando abrimos o tarot com a intenção de receber uma orientação, nós atraímos aquela informação por sincronicidade.
O Tarot atua como uma ponte entre o consciente e o que está oculto dentro de nós.